Grupos de Leitura

Textos Freudianos 

 

Sextas-feiras, 10:30
Atividade Presencial

. Algumas Consequências Psíquicas da Diferença Anatômica entre os Sexos 
. Feminilidade
. Fetichismo 

Nesses textos, propostos para trabalharmos em torno das questões da sexualidade e da função do objeto perdido, podemos extrair os termos com que Freud distingue sua prática de qualquer psicologia do indivíduo ou de um tratamento médico do desejo. 

A partir disso no que diz respeito à experiência analítica, que é a experiência daquele que fala em transferência, trata-se da articulação da função da falta como estruturante do sujeito, que se constitui por essa fala mesma posta em ato. Partir da experiência freudiana como via imprescindível para ir mais além do objeto parcial, que vela a castração, é o que Freud nos indica como ponto difícil a atravessar na estrutura da neurose.

Em "Algumas consequências psíquicas da distinção anatômica entre o sexos", Freud trata das distinções entre meninos e meninas relativamente ao processo edípico e suas articulações ao processo de castração. 
O texto “Feminilidade” traz considerações importantes sobre as questões femininas, sua incidência e implicações, tanto nas mulheres, como nos homens, sem deixar de tratar de suas complexidades e dificuldades.


Nesse último texto aqui proposto,  o "Fetichismo", Freud circunscreve o lugar preciso onde intervém o analista, a saber, o lugar do objeto frente à angústia de castração, lugar de cisão e proteção. 

Coordenação: Cássia Fontes Bahia, Gracinda Peccini e Marilu Guerreiro

A significação do falo, de Lacan

 

Quartas-feiras, 18h
Atividade Presencial

Este escrito de Lacan, “A significação do falo”, de 1958, tem importância fundamental para se ter acesso a questão do valor articulador, organizador e estruturante que tem o falo como significante em relação à sexualidade, ao desejo, e aos complexos de Édipo e de castração. O falo é organizador da articulação entre sexualidade, fala e inconsciente.

Lacan introduz este trabalho com uma epígrafe em que nos lembra que termos como a outra cena (eine andere schauplatz) e après-coup, a posteriori (nachtrag) que hoje estão no domínio da alma bela, foi ele quem os extraiu de Freud.

E ao começar o texto situa que o complexo de castração inconsciente tem uma função de nó tanto na estruturação dos sintomas em termos do que é analisável na neurose, na perversão e na psicose, como também, na regulação de uma ratio para a instalação no sujeito de uma posição inconsciente em relação ao sexo, seja ela masculina ou feminina.

A extração dos dizeres de Lacan neste escrito, contemporâneo do Seminário 5, “As formações do inconsciente”, estabelecem a base necessária para que possamos acompanhar as mudanças que, à medida que seu trabalho de articulação lógica progride, Lacan introduziu em relação ao falo. Nesse sentido, este escrito tem a função de nos orientar em uma série de problemas em relação aos quais há por todos os lados muita confusão, inclusive entre os psicanalistas. Essas mudanças, esses avanços em relação ao falo como articulador se destacam, especialmente, no Seminário 10, “A angústia”, com o objeto pequeno a como resto irredutível ao simbólico no lugar do menos phi da castração; no Seminário 18, “De um discurso que não fosse semblante”, com homem e mulher como semblante em relação ao real do gozo fálico; e no Seminário 20, “ …mais ainda”, com os matemas do quadro da sexuação fálica.

Convidamos os interessados para virem trabalhar conosco as articulações deste escrito lacaniano, que nos dá o caminho principal para seguir com as questões relativas a função do falo como significante.

Coordenação: Antonia Portela Magalhães, Iaci Torres Pádua e Isabel Martins Considera